Pequenos feitos.



Em uma bela noite de quarta-feira, véspera de provas finais, ao sair de uma aula para enfrentar o longo congestionamento na xérox da faculdade, eis que encontro um matemático amigo meu (super atrasado) tentando imprimir seu trabalho, que deveria ser apresentado enquanto ele estava ali. Esperamos na fila para resolver nossos assunto até que chega a vez dele.

Em uma xérox lotada de universitários preocupados com suas xeroxes e provas ninguém notou dois menininhos pequenos e tímidos que lá tentavam entrar, a não ser eu e meu amigo. Eu nada fiz, desliguei-me deles, mas meu amigo fez algo simples e ‘banal’, mas que ninguém ali se prontificou a fazer e que me chamou muito a atenção: perguntou aos meninos o que eles queriam ali (duas folhas de almaço apenas) e pediu por eles! Ele sabia que com a xérox lotada como estava, aqueles dois meninos não seriam atendidos tão cedo. Com certeza os meninos saíram dali muito mais aliviados e felizes.

Realmente é um ato simples, sem muita importância por assim dizer... talvez nem ele tenha reparado direito o que fez, deve tê-lo feito inconscientemente, mas aquele pequeno ato pra mim foi digno de admiração! (sim, admiração mesmo). Todo mundo vive correndo de um lado pra outro, vendo apenas a si e a si próprio... virou rotina.

Agora vamos imaginar se todos nós, mesmo em meio a tanta correria, parássemos as vezes pra fazer tais ‘atos sem muita importância’, o que aconteceria? Talvez tais atos fossem passados a diante, como uma espécie de corrente (ou não) de gentilezas (afinal, como dizia o Profeta, ‘Gentileza gera Gentileza!’). Bom, mesmo que tal ato apenas o deixe com uma sensação de ‘fiz algo bom à alguém’, que pode ser muito recompensadora, e tenha feito alguém mais feliz já é um grande feito!

Sabe, agente precisa disso. Tentar levar as coisas pelo ‘Gentileza gera Gentileza’, realizar pequenos grandes feitos para alguém, dar um ‘help’ quando preciso (mesmo que você não faça idéia de quem é a pessoa). Isso se perdeu, perceba: muitos preferem viver pra si e pensar nos outros quando assim for cômodo pra si próprio, do que oferecer uma ajuda por mais insignificante que esta possa parecer. Acho que por isso haja tanto ódio por aí... tanta desconsideração com tudo e todos.

Pequenos feitos são sim capazes de grandes coisas! Qual foi seu pequeno feito de hoje?

sexta-feira, 13 de junho de 2008

1 Comment:

Thales said...

O ser humano nunca repara a sua volta,esta como um cavalo com seu antolhos e assim nao pode ter uma visao de tudo.As pessoas deveriam e devem deixar de acharem que os problemas delas proprias sao mais importantes.Vivemos numa sociedade e assim como deveria ser nesta o homem poderia ajudar aqueles que vivem em seu habitat.Se repararmos ,sempre a pessoas que precisam de ajuda e nos podemos ,com um simples ato,ajuda-las.