Janela do Trem

Pela a janela a Central, Prefeitura do Rio, Correios,...
Prédios altos, prédios em construção...
Quinta da Boa Vista... Barracos
Maracanã, Cristo,Prédios... Barracos

Incrível como o luxo e a pobreza ficam tão perto no Rio, um aparentemente ignorando a existência do outro.

E assim a composição ruma em direção ao terminal Japeri.

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Árvores na parede.

É, parece que minhas viagens de trem tem me motivado a escrever.
Início de período acadêmico, Japeri lotado todo dia, Busão cheio... fora acordar de madrugada [não se deveria acordar antes das 8!]!
Eis que essa semana, enquanto ia tranquilamente imprensada num cantinho do trem cheio, admirando a paisagem pela janela, algo me chamou a atenção.
Primeiro aqueles muros bem antigos, época do império acho, ainda feitos de óleo de baleia e pedras... mas o mais interessante não era bem o muro, e sim o que crescia nele. Haviam árvores crescendo no muro!

Já havia visto árvores crescendo em frestas, telhados, asfalto, mas nunca num muro!

As raízes se espalhando pelo muro na vertical, a árvore crescendo viçosa... Um conjunto muito belo de se apreciar. Apesar de toda a dificuldade de crescer em condições adversas, alí estão elas. Algumas não resistem, viram galhos secos e retorcidos.
As que sobrevivem são belos espécimies, exemplos a serem seguidos. Venceram mesmo com todas as adversidades, e alí continuam a crescer mostrando serem verdadeiras vencedoras.

Não desistir, mesmo na adversidade... Temos muito o que aprender com essas árvores!

sábado, 26 de julho de 2008

Shopping Universitário

Som ambiente
Cinema
Lanchonetes
Loja de acessórios
Boutique
Papelaria
Farmácia
Cabeleireiro
Livraria? Não. Fechou pra dar lugar à loja de acessórios.
Pessoas pra todos os lados...

Não, não é um shopping, é uma universidade. A universidade nem mesmo é dentro de um shopping, o shopping que é dentro dela.
Incrível a evolução do ensino universitário. Não se apenas estuda numa universidade, como pode-se também desfrutar dos confortos da sociedade capitalista, não?
Depois de duas aulas, faço um lanchinho, pego um cineminha, olho umas vitrines e ainda sobra tempo pra ir à secretaria.

Adoro essa vida acadêmica!

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Expectativas de uma quarta-feira.


Dia 22 de Julho, início do período acadêmico na universidade e dia de expectativas.
Acordei cedo e peguei o trem rumo à Central, junto com meu pai [Os pais levam os filhos no primeiro dia de aula.. rs]. Um Trem cheio com trabalhadores, estudantes, pregadores, mulheres, homens, crianças, jovens... [surpreendentemente sem vendedores].
Pessoas que estavam alí por diversos motivos, bem arrumadas ou não, cheirosas ou não, felizes ou não. Pessoas diferentes, situações diferentes, pensamentos diferentes.
O meu estava focado na universidade e no que encontraria lá.

Esperava encontrar lá filinhos de papai usando marcas caríssimas m pouco na cabeça. Esperava professores mais rígidos e sérios, sem aquele coleguismo no olhar.Esperava um Campus super bem organizado [e com metade do tamanho que tem]. Esperava uma super infraestrutura. E finalmente, esperava me achar perdida naquele mundo onde tudo era pra mim desconhecido.

Central. Depois de uma leve enrolação, eis que pego o ônibus. Lá me concentrei na paisagem... Eram 8 da manhã, chega de expectativas um pouco.

Finalmente o 401 entra na Rua do Bispo e eu chego [atrasada!] a universidade. Não senti lá tão estranho como imaginava. Peguei meu horário e fui pra uma sala do 3° andar no bloco D.
Subi a ladeira do Sufoco [é esse o nome mesmo!]e entrei no Prédio. Corredores... Salas... De uma certa forma me lembravam o meu antigo Campus. Chegando no corredor da sala qual não é minha surpresa ao encontrar um rosto conhecido. Uma colega que se formou comigo no Normal. Nós e um aluno, meu pai, e uma professora de outra turma conversávamos enquanto esperávamos minha professora. As 8 e 14 desistimos e fomos ver se teria mesmo a aula. Desorganização! A sala havia mudado e não avisaram.
Quando finalmente chegamos na sala 607 do bloco J encontrei uma turma com pessoas comuns, uma professora bacana [pelo menos até agora.. rs] e tive uma 1ª aula muito tranquila.

Depois dessa aula descobri mais desorganizações... Não se pode confiar nem mesmo no seu horário de aulas fornecido pela universidade. Tentei ir à gerência academia e: Lotado! E assim retornei a minha casa depois do 1° dia de aula. Não foi o que esperava totalmente, mas não foi pra mim decepcionante.

Julguei o livro pela capa, e aparentemente me enganei. Fazemos muito isso sempre. Esperamos uma coisa, e acaba sendo diferente.
Esperamos que as pessoas sejam de uma forma...
Esperamos que as coisas saiam de uma certa maneira...
Esperamos muitas vezes que o que esperamos aconteça.
E por vezes acabamos nos decepcionando com o que vemos.

Esperar demais de algo acaba muitas vezes trazendo frustração... e essa frustração pode se transformar em outras coisas [revolta, indignação, raiva...]. Tem gente que espera demais de coisas que não são como ela quer.

Uma coisa aprendi há muito tempo: aprendi a não esperar demais de algo ou alguém, pois a decepção pode acabar sendo inevitável.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Vícios


Hoje, enquanto esperava impacientemente a manutenção do orkut acabar, me dei conta do quanto esse vício me consumia. Todos temos vícios... Isso é mais do que óbvio e desnecessário de ser dito. O que algumas pessoas não se dão conta é do quanto esses vícios mexem com nosso dia-a-dia.

O ser humano é Suscetível a vícios. Nos viciamos com tudo:
Pessoas,
Lugares,
Musicas,
Internet,
Coisas proibidas,
Comida,
(...)
E assim a lista vai...

Nos deixamos demais nos levar por isso. Alguns vícios são bons, agradáveis, nos levam a relaxantes horas de distração. Outros, parece que não, mas quando menos esperamos nos trazem o maior prejuízo seja emocional, físico ou financeiro!].

Não importa muito o tipo de vício... mas sim como ele nos envolve e nos faz por vezes esquecer do mundo a nossa volta... por vezes nos leva a outros lugares, transforma coisas... trás novidades e vivências...
Ou como ele destrói e devasta... Traz falsas ilusões e sacrifícios... pesadelos e infelicidades...

Até onde levamos nossos vícios, ou eles nos levam?

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Tudo de novo...

Esta é a primeira eleição municipal que votarei, mas não é a primeira que 'participarei'. Não que faça parte de algum movimento politico ou coisa do tipo, mas eleição passada mesmo não votando me dediquei a campanha do canditado a prefeito que eu Julgava ser o melhor (e tenho certeza que não me enganei), debatia com colegas, até trabalhar na elição trabalhei... [rs]Mas dessa vez eu vou participar da 'festa da cidadania' de forma mais efetiva, na urna.


É, mais uma vez eleições,
Mais uma vez estardalhaço,
Mais uma vez pelo 'cara certo',
Mais uma vez a lixarada pelas ruas,
Mais uma vez as mesmas mentiras.

Escolher canditados se tornou uma Mega Sena, se vc acertar na combinação de números terá talvez o grande premio: um admistração melhor pelos proximos 4 anos. Mas sempre nos deparamos com as combinações não muito boa [péssimas], que rouba, mata, desvia, finge, corrompe e engana... e adivinha que sempre ganha? Justamente eles! Parece que o povo se cega e vê apenas o que é mostrado pelos pilantras.

Vejo as mesmas caras e carecas e nada muda... as mesmas caras sempre ganham, nada fazem e ludibriam a população, e esta parece adorar isso.
Eis que um dia aparece uma cara nova, a mudança. Muitos se impolgam e o elegem por suas exelentes propostas. A mudança começa, mas não na velocidade em que todos queriam, primeiro era necessário concertar a casa... Mas o que importa fpi que a mudança começou! E nas eleições o que acontece? Muitos fingem não ver nada, fingem que nada mudou e muito piorou e que com as carecas velhas era muito melhor.

Sinceramente gostaria de entender essas pessoas. Pessoas que foram beneficiadas por mudanças que preferem acreditar que as velharias são melhores... Vendem seus votos e com eles suas qualidade de vida e esperança numa sociedade melhor.

sei que enquanto Rosinhas, Garotinhos, Henriquinhos, Carequinhas, MM's, e etc's forem eleitos e consagrados pelo povão [e pelas elites que manipulam o pensamento deles] nada mudará!
A saude continuará um caos...
A educação abandonada...
A cidade desordenada...
A violencia organizada...
Os ricos mai ricos...
E os pobres? Suficientemente alimentados e ludibriados pra proxima eleição.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Ser o exemplo.


“Você deve ser o exemplo da mudança
que deseja ver no mundo.”
(Mahatma Ghandi)


As Pessoas criticam...
As Pessoas dizem como não deve ser...
As Pessoas dizem com o deve ser...
As Pessoas revindicam...
As Pessoas sugerem mudanças...
Mas será que essas pessoas relmente dão o exemplo da mudança que sugerem?

domingo, 13 de julho de 2008

Por você.

Às vezes uma coisa simples, talvez banal nos faz lembrar de coisas importantes. Esses dias cortei o cabelo e acabei que ficar meio que naquela expectativa de se alguém notaria, depois acabei por desistir por perceber que praticamente ninguém notara com exceção de dias pessoas. Hoje, na academia, sem esperar um professor me pergunta sobre o corte.

A princípio achei legal que alguém havia notado, depois emendei isso com outras coisas que sempre esperamos que sejam notadas, algumas pequenas atitudes, alguns feitos, algumas mudanças... Coisas que muitas vezes passam por despercebido para os outros nos desanimado a prosseguir ou a inovar. Muitos só fazem esperando o reconhecimento de outras pessoas, e assim fazem suas vidas.

E foi aí que lembrei de uma coisa importante: não devemos fazer nada para que os outros notem. Façamos por nós mesmos. Não se precisa que os outros notem pra que você faça uma boa ação, ou para que você se esforce ao máximo pra atingir uma meta, ou cortar o cabelo pensando em quem vai notar ou não... Faça pela pessoa que vale a pena, por VOCÊ!

Mude por você...
Crie por você...
Inove por você...
Faça por você!
Afinal de contas será o maior beneficiado pelo que fizer.
Se alguém notará? Sim! Uma pessoa muito importante cuja opinião deve ser a mais importante pra ti... Você!
Os outros? Bom, os outros são os outros!

terça-feira, 8 de julho de 2008

Vivendo à sombra de medos.



Ok! Tenho que admitir que não sou a pessoa mais corajosa do mundo (sou até medrosa demais as vezes!). Mas uma coisa que procura fugir às vezes é dos meus medos. Tento não ser guiada por eles... Não deixar de fazer o que quero por causa deles. Imagine-se uma pessoa guiada por medos? Ir à esquina seria sua maior aventura, não? Não quero ser assim e não gosto, e acho que ninguém deveria ser. Concordo que vivemos em uma sociedade que nos inspira medo até dizer chega (e bota medo nisso), mas temos que aprender a conviver com isso... e assim vamos vivendo.

Ter medo é normal. Faz parte de uma pessoa normal sentir medo, e isso não é vergonha nenhuma. Isso faz parte do instinto de proteção que temos (afinal, viver é bom e eu gosto!), é natural e instintivo. Agora o excesso dele é que o problema. Devemos evitar o medo irracional.

Tem gente que pensa em todos os detalhes possíveis e imagináveis, todas as situações de perigo que podemos viver ou não, por mais remotas que sejam. Vivem pensando “não farei isso por que tal coisa pode acontecer”, “não vou a tal lugar porque pode ser perigoso”... E vivem uma vida de coisas que não fazem porque tem medo de que algo possa vir a acontecer ou não. Não é legal ser assim... Pense no quanto se perde, no quanto não se vive. Deprimente! Convivo com pessoas assim, e um medo que tenho é acabar igual a elas.

Se arriscar um pouquinho mais, tentar uma coisa nova, ir a um lugar diferente... deve ser de lei na vida de qualquer um. Libertar-se de uma gaiola que você mesmo criou pode não ser fácil, mas não custa tentar.

Você tem planos... Tem idéias... Tem vontades... Tem objetivos... Você tem medo! Agora pense, o medo te impedindo de realizar algo é uma coisa boa? Quando ele te limita (você se limita) a uma certa “segurança” (posição confortável ou total medo do novo e desconhecido) ele é uma coisa benigna? Claro que não! É apenas uma forma de morte lenta (e dolorosa).

Deixemos nosso medo restrito ma categoria de precaução e “preservação”, vamos ter medo de coisas reais (violência, situações específicas, bicho papão...) mas sem deixar que isso nos prejudique a vida e a sanidade mental! Deixe seu medo com medo e mostre sua cara, mostre do que você é capaz... VIVA! Ou, se preferir, viva a sombra de seus medos...

quarta-feira, 2 de julho de 2008