Eee.. Culpado!

Voltei antes do que pensava... mais uma vez condições favoráveis. Mais uma vez, então, vim escrever uma coisa meio que sem nexo, mas que pra mim faz sentido... mesmo que todos discordem de mim! Afinal, escrevo, por incrível que pareça, pra mim... Os comentários são apenas o resultado de um dia que, por acaso do destino, o texto tenha saído bom! rs

Bem, porque esse título? Simplesmente por que muitos não juízes fazem isso todo o tempo, julgam mas pessoas ao modo que querem. Primeiramente e antes que qualquer coisa seja dita: não é que eu também não julgue pessoas, mas eu apenas procuro ver primeiro os meus erros antes de condenar alguém a eterna culpa diante dos meus olhos [eterna culpa até eu perdoá-la, pois quem sou eu pra culpar alguém pra sempre... rs].

Mas, voltando, as pessoas gostam de julgar. Julgam pra disfarçar o quanto são pequenas, erradas, por serem julgadas, por querer esconder dos outros seus próprios defeitos ou para procurar nos outros defeitos maiores que os seus? Não sei, só sei que julgam, e o fazem muito. Essas pessoas podiam aproveitar o tempo que estão muito ocupadas, julgando alguém e a condenando ao mármore do inferno, pra fazer não só uma auto-análise de si, mas também ver o que pode ser mudado em si próprio. Sabe, um aprimoramento do ser [coisa filosófica! rsrs].

Devo admitir que nessa parte ando meio falha. Até vejo meus próprios defeitos, mas é difícil corrigi-los. Não que seja fácil pra alguém, mas muitas vezes é questão de se tentar com vontade. Não ando com vontade ultimamente de fazer nada que me exija muito sacrifício ou esforço [já basta as faculdades e o trabalho], mas buscar o aprimoramento do espírito é a meta da humanidade então lá vou eu! [Tentar pelo menos. Não dói tentar mudar].

Talvez se todos buscassem esse aprimoramento ao invés de achar os defeitos dos outros as coisas fossem um pouco melhores... quem saberá? [eu e minhas teorias de como mudar o mundo...].

PS.: Bem, não precisa comentar [ler já é castigo suficiente!]. Zoa...

terça-feira, 30 de setembro de 2008

2 Comments:

Leandro Marlon said...

nem todos os que julgam são ruins...
tem de analisar os métodos, hehe...
=P

[em defesa própria, hehe]

Yellow Fox said...

Bom, eu quero o castigo de comentar, haha!

Realmente, "não julgueis para não serdes julgados"... tá lá na Biblia, pode conferir... só não me lembro da página. Mas, se vc confia em mim, não precisa olhar página por página, linha por linha.

E, sobre julgar os outros, nem os juizes (que sao "julgadores" profissionais) costumam fazer isso direito! Não é à toa que muitos processos são anulados pelos desembargadores, depois que uma das partes recorre e o processo vai para outras mãos... Já notou como nos filmes os juizes são educados e imparciais? Na vida real (e quem já teve audiencias com um juiz provavelmente sabe) as coisas não são bem assim. Há muitos juizes que xingam uma das partes, que tomam partido antes mesmo de ler o processo, qdo mal se enteiraram do caso... É claro que em publico esses juizes não admitem isso e, numa sessão aberta ao publico, tb mudam de comportamento. É naquelas audiencias com as portas fechadas que os juizes se mostram como são e, como mta gente metida só faz Direito porque quer "ser respeitada e se impor", não é de admirar q mtos juizes são como esses advogados metidos... Claro q existem exceções, mas, fazendo as contas, levando em conta os juizes e advogoados q eu conheço ou conheci de perto, "julgar" é algo que me dá nojo...

E as pessoas comuns (que não são "julgadores" profissionais) deveriam julgar menos os outros... Eu, se pudesse, não julgava nem era julgado, haha!

Bom, se vc tem amigos advogados ou juizes, não me apresente!

Cuide-se!

Até.

:)