Dialética hegeliana: Tese-antítese-síntese. Escrito assim parece bem fácil. Mas e quando uma tese passa por múltiplas antíteses chegando a variadas sínteses? Já não é mais tão fácil assim. Múltiplas possibilidades, múltiplos resultados... nem sempre todos desejados. Nem sempre a racionalidade ajuda. Nem sempre a emoção é o melhor caminho. Ir pela via do meio nem sempre é fácil como parece.
Essa tal via do meio que tanto ouço falar parece ser a saída para muitos, embora praticamente eu não tenha visto ninguém tenha conseguido seguir por ela. É o típico 'parece, mas não é'. Se vivemos num mundo onde a imparcialidade não existe, como existiria uma 'via do meio'? Tudo tem sua dose. Não se é um meio termo entre a responsabilidade e a irresponsabilidade, entre felicidade e infelicidade, entre o certo e o errado. Ou se é, ou apenas não é. Sem mais nem menos.
Retomo a dialética hegeliana. Tese-antítese-síntese. Bem, se temos uma tese e a contrapomos com uma antítese, chegaremos a uma síntese de idéias. Simples e prático. Guardarei essa simplicidade. A multiplicidade de variantes não é algo que eu queria pensar agora. Respostas prontas essa dialética não trás, mas ajuda a pensar. Pensar, fazer é outra história.
Pensar é um ato racional que muitas vezes vai pelo limiar da irracionalidade. Limite tênue. Use a racionalidade com moderação.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

3 Comments:

Thiago Kuerques said...

Nao tenho dialetica!!!

Beijos

Thales said...

não entendi...srsrrssr
traduz?
Beijos!

Anônimo said...

falou falou falou e não disse nada